30.8.10


IPCC - Comissão científica aponta debilidades e sugere mudanças em painel climático da ONU
“IPCC, ... o principal farol científico para a política internacional contra o aquecimento global.”
“... comissão internacional de 12 peritos apontou debilidades no processo de revisão dos relatórios do IPCC, que são a base da sua credibilidade científica. Algumas conclusões desses relatórios, segundo a comissão, indicam graus de certeza sobre os impactos das alterações climáticas que não são suportadas por suficientes provas científicas.”
“O IPCC vinha sendo alvo de críticas sobre a sua credibilidade, desde a descoberta de alguns erros no seu último relatório de avaliação das alterações climáticas, de 2007.”
Desde?
“A comissão afirma que o trabalho do IPCC “tem sido bem sucedido em geral e têm servido bem a sociedade”.”
Etc
Uma autêntica pérola esta prosa. Apenas uns ligeiros gafos...
http://www.publico.pt/Mundo/comissao-cientifica-aponta-debilidades-e-sugere-mudancas-em-painel-climatico-da-onu_1453580

“Os resultados revelaram que, para a Península Ibérica, registou-se um aumento dos dias quentes maior do que no resto do mundo. Também foi detectada uma diminuição das noites frias, tendência que acompanhou a descida global.”
Digam lá outra vez... aumentaram os dias quentes, diminuíram os dias frios, tendência que acompanhou a descida global?...
http://economico.sapo.pt/noticias/peninsula-iberica-tem-dias-mais-quentes-que-resto-do-mundo_97977.html

DECO
«Os bancos devem assumir a responsabilidade pelos movimentos nas contas bancárias associadas à Internet, também conhecida por 'banca online', que podem ser devidos a diversos factores»
«débitos de despesas, sem autorização dos consumidores, e/ou a falhas de segurança nos sistemas informáticos, neste caso desde que os clientes não tenham tido comportamentos negligentes»
http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=182634
Absolutamente de acordo!

***
Europa Livre


Strange boat – Waterboys -

29.8.10

Hitler, o melhor general de Stalin
por Paulo Diniz Zamboni em 02 de fevereiro de 2003.
.
Resumo: Recente artigo publicado pela revista Veja aborda uma das inúmeras atrocidades esquecidas da Segunda Guerra Mundial que tiveram como protagonistas os ex-aliados dos nazistas, os soviéticos.
© 2003 MidiaSemMascara.org
.
Recentemente, a Revista Veja publicou um artigo sobre o escritor alemão Günter Grass, e sua nova obra, onde descreve o afundamento de um navio de passageiros alemão no Mar Báltico durante a Segunda Guerra Mundial, no qual morreram mais de cinco mil pessoas.
Interessante essa nota, pois revela uma das inúmeras atrocidades esquecidas da Segunda Guerra Mundial que tiveram como protagonistas os ex-aliados dos nazistas, os soviéticos. Por outro lado, serve para confirmar que o monopólio da verdade, infelizmente, ainda continua com a esquerda. Isso porque Grass é um notório socialista, cujo passado nazista não atrapalha nem um pouco a credibilidade de suas idéias. Só para comparar, recentemente um historiador alemão lançou um livro onde acusa Winston Churchill de ter deliberadamente ordenado os ataques aéreos sobre alvos civis na Alemanha, o que transformaria Churchill num mero criminoso de guerra.
Muito pior foi a atitude do presidente dos EUA, Roosevelt, ao permitir que o conflito tomasse rumos que acabaram premiando o sanguinário ditador soviético, que quase perdeu seu império devido ao golpe de seu então aliado, Adolf Hitler, ao ordenar a invasão da URSS em 1941. Mas, como que se redimindo da traição ao ditador soviético, o líder nazista adotaria posturas na guerra contra a URSS que beneficiariam amplamente Stalin.
O que poucas pessoas sabem é que a imensa derrota imposta pelo Exército Vermelho aos alemães, tanto em solo russo quanto na Europa Oriental, teve como um dos seus principais arquitetos ninguém menos do que Adolf Hitler. E possível chegar a tal conclusão baseando-se nas circunstâncias que envolveram as maiores batalhas travadas na Frente Oriental, Moscou (1941), Stalingrado (1942-43) e Kursk (1943). Pelos dados disponíveis sobre essas três batalhas decisivas, é perceptível que se não fosse a imensa ignorância e prepotência de Hitler na condução das operações militares, dificilmente o Exército Vermelho teria alcançado as vitórias que conseguiu e, conseqüentemente, ocupado todo o leste europeu.
É fora de questão que o regime nazista seria vencido e destruído pelos aliados, especialmente se levarmos em conta que os recursos dos Estados Unidos eram infinitos, e que os norte-americanos também tinham, na bomba atômica, uma arma definitiva. Mas que a tarefa de derrotar os alemães foi imensamente auxiliada pela inabilidade com que Hitler conduzia a guerra contra a URSS, tanto no campo de batalha, quanto no front político e no setor de contra-informações, isso é fora de questão, e uma amostra de como o regime nazista funcionou como perfeito “quebra-gelo” para as ambições de Joseph Stalin.
Uma análise dos fatos demonstra que:
1 - nas semanas seguintes ao ataque alemão a URSS, em julho de 1941, as derrotas impostas aos exércitos russos foram de magnitude jamais vistas na história mundial. A um custo ridículo em termos de vidas humanas, os alemães chegaram até as portas de Moscou, e capturaram mais de 3 milhões de soldados russos, além de imensas quantidades de armas e equipamentos, que virtualmente despojaram os soviéticos de recursos para resistir. A situação era tão crítica, que entre os meses de agosto e outubro de 1941, os soviéticos tentaram pelo menos duas negociações de paz secretas com os alemães. A primeira delas, conforme dados revelados pela BBC, no documentário “A Guerra do Século,- Uma nova esperança” teria sido entabulada a mando do chefe da NKVD (polícia secreta soviética), Lavrenti Beria. A segunda tentativa ocorreu em outubro, após a gigantesca derrota dos soviéticos em Viazma-Brianski, tendo sido ordenada pessoalmente por Joseph Stalin. Ambas as propostas de paz incluiriam a entrega de consideráveis parcelas do território russo aos alemães, em troca de um acordo de paz que permitisse ao governo de Stalin sobreviver. Em comparação, nessa mesma época a Inglaterra, apesar da imensa vantagem que os alemães apresentavam em termos de poderio militar, não tencionava fechar qualquer tipo de acordo de paz em separado com o regime nazista.
Entretanto, o ditador nazista ordenou um avanço para a capital soviética, Moscou, em meio ao inverno que chegou cedo naquele ano. Sem material para o frio, cansados, e com pouca munição, os alemães deram uma excelente oportunidade de contra-ataque aos soviéticos, que a aproveitaram, embora não da forma como poderiam ter feito.
Nesse meio tempo, a terrível guerra de guerrilhas travada pelos comunistas soviéticos contra os alemães já atingia níveis violentíssimos, com atrocidades incríveis sendo cometidos de ambos os lados. Também nesse caso, Adolf Hitler foi responsável pelo fortalecimento do regime de Stalin, pois a manutenção e ampliação, pelos nazistas, da exploração a que eram submetidos os camponeses russos, anularam completamente a possibilidade de cooperação da população russa e ucraniana que existia nos primeiros meses do ataque alemão. As represálias utilizadas pelos alemães contra os civis em virtude dos ataques guerrilheiros também alienavam a população. Em áreas onde não se empregaram represálias coletivas e a população foi melhor tratada, a aceitação aos alemães foi boa.
2 - na segunda metade de 1942, os alemães novamente estavam na ofensiva e como no ano anterior, desfrutavam de superioridade tática e dessa vez boa vantagem numérica, pois além das enormes perdas sofridas em 1941, os russos haviam desperdiçado suas forças nos sul da Rússia numa fracassada ofensiva contra as posições alemãs na cidade de Kharkov no verão de 1942, ataque esse ordenado por Stalin. Resultado: a perda de mais de 300 mil homens e muito equipamento, o que virtualmente deixou sem defesa o sul da Rússia. Os alemães, aproveitando-se disso, lançaram sua ofensiva de verão, cuja retaguarda seria fixada na cidade de Stalingrado, para então atacar o alvo principal de toda a operação: a região petrolífera do Cáucaso.
Pelos efetivos disponíveis e vantagens táticas que dispunham na região, e a desmoralização em que se encontravam os soviéticos no sul da Rússia, era muito provável que os alemães atingissem esses objetivos, relativamente modestos em comparação com os de 1941. Mas como havia acontecido em Moscou, Hitler mais uma vez inverteu as prioridades, e ao invés de simplesmente bloquear a cidade de Stalingrado, decidiu ocupá-la totalmente. A partir daí uma sangrenta guerra de atrito foi travada dentro e ao redor da cidade durante vários meses, consumindo recursos humanos e materiais em escala monstruosa, sem que uma vitória fosse alcançada pelos alemães. As baixas foram imensas: os alemães tiveram 140 mil mortos na batalha, número baixo se comparado com as perdas soviéticas: acima de 1 milhão de homens, entre mortos e feridos, sendo que esqueletos de soldados russos são encontrados nos arredores da cidade até hoje.
Para cobrir as perdas sofridas durante a luta pela cidade, os alemães retiravam tropas e material das forças que avançavam pelo Cáucaso, até paralisar totalmente a ofensiva na região, cuja ocupação era o alvo de toda a campanha alemã na Rússia naquele ano. Vários analistas militares, ao longo das últimas décadas, são unânimes em afirmar que se os soviéticos perdessem o petróleo caucasiano, que respondia por 80% da produção da Rússia na época, dificilmente o Exército Vermelho poderia ter mantido sua capacidade combativa e as indústrias bélicas que forneciam seu equipamento teriam sua produtividade comprometida seriamente.
Pela segunda vez, os resultados de uma decisão errônea tomada por Hitler causaram um prejuízo avassalador sobre seus exércitos na URSS. Além da perda de centenas de milhares de homens até meados de 1943, os alemães e seus aliados também deixaram escapar a oportunidade de conquistar o petróleo russo, e principalmente, tirar proveito da debilidade do Exército Vermelho. Nos primeiros meses de 1943, ao contrário do ano anterior, os soviéticos foram capazes de mobilizar melhor suas forças, recrutando novos exércitos, sem contar que as indústrias de armas na Sibéria, após superarem as dificuldades para serem reinstaladas na região, normalizaram a produção, abastecendo as tropas russas com enormes quantidades de material bélico, dando-lhes grande poder ofensivo. A vitória sobre as tropas do Eixo na região do rio Volga também favoreceu o moral do Exército Vermelho, que começou o ano de 1943 na ofensiva.
3 - os avanços russos continuaram em janeiro e fevereiro, e novamente o exército soviético decidiu atacar a cidade ucraniana de Kharkov. Os alemães, entretanto, conseguiram deter a ofensiva e contra-atacar, causando séria derrota aos russos. Após essa batalha, as operações na frente oriental foram suspensas durante dois meses, devido ao período de degelo. Uma análise da situação na época permitia chegar à conclusão que as forças alemãs na URSS, embora desgastadas, ainda eram fortes e mantinham boas posições defensivas, além de vantagens táticas consideráveis, que se fossem bem exploradas, poderiam levar a guerra no leste a um impasse. Diante disso, os principais generais alemães na Rússia defendiam que o mais adequado seria esperar o ataque soviético, recuando em ordem, e quando os russos estivessem estendidos ao máximo, golpeá-los com toda a força, exatamente como haviam feito na recente vitória em Kharkov. Essa tática tinha boas chances de resultar em vitórias locais consideráveis, pois as tropas soviéticas, embora numerosas e bem armadas, levavam sérias desvantagens frente a adversários com liberdade de ação e treinamento superior. Na realidade a situação estava equilibrada, e as perspectivas da luta ainda eram tão boas para os alemães, que Stalin, pela terceira vez na guerra, tentou estabelecer contato com o governo nazista no sentido de obter um acordo de paz.
Porém, Hitler precipitou os acontecimentos quando, em 05 de julho de 1943, as melhores forças de todo o exército alemão atacaram as posições soviéticas fortificadas em torno da cidade russa de Kursk. Foi uma batalha relativamente curta (menos de 20 dias) mas que incapacitou permanentemente as tropas blindadas alemãs, que perderam centenas de tanques durante a luta, travada em meio a gigantescos campos minados, armadilhas para tanques, trincheiras, valas, canhões antitanques e ninhos de metralhadora soviéticos que dizimaram os atacantes. O serviço de inteligência alemão havia prevenido Hitler do que aguardava as tropas alemãs, mas mesmo assim o ditador ordenou o ataque. Os soviéticos, embora perdendo mais homens e material que os alemães, dessa vez não recuaram, e contavam com reservas muito grandes, o que lhes permitiu lançar uma poderosa contra-ofensiva. Além disso, num episódio que demonstra a fantástica incompetência do setor de contra-informações de Hitler, desde o início Moscou sabia de tudo que os alemães pretendiam, pois havia uma rede de espiões comunistas agindo dentro dos círculos político-militares alemães, conhecida como “Orquestra Vermelha”, que mantinha o Kremlin a par de todos os movimentos de Berlim. Essa rede atuou durante anos na Alemanha, dando grande vantagem estratégica aos soviéticos. Aliás, os rumos da campanha de verão foram decisivamente influenciados pela atuação dos espiões soviéticos, pois se dependesse da vontade inicial de Stalin, novamente os soviéticos teriam tomado a iniciativa de atacar, exatamente como os oficiais alemães na Rússia haviam previsto que aconteceria, e os resultados poderiam ter sido desastrosos para os russos.
Com a perda de suas últimas reservas estratégicas, os alemães começaram a recuar, cedendo não apenas espaço, mas também recursos materiais e humanos aos soviéticos, que se fortaleciam dia-a-dia. O avanço russo só iria parar em Berlim, e foi possível porque Adolf Hitler, na sua megalomania inacreditável, não conseguia enxergar as realidades estratégicas, políticas e militares, da luta na Rússia. A absurda condução que Hitler dava à guerra contra os soviéticos só iria aumentar no ano de 1944, culminando com a destruição das tropas alemãs que formavam o “Grupo de Exército Centro”, no maior desastre militar de todos os tempos para a Alemanha, quando, em cerca de um mês de combates, os alemães sofreram mais perdas do que durante toda a batalha por Staligrado, que durou mais de 6 meses.
Portanto, se considerarmos os erros e acertos do ditador Joseph Stalin durante os anos decisivos da luta na Frente Oriental, 1941-43, indubitavelmente a maior vantagem de todas foi a sorte de ter como adversário um tirano psicótico e arrogante como Hitler, que conseguiu trazer para dentro da Europa o regime de Stalin, obtendo êxito onde os comunistas haviam fracassado durante décadas de conspirações e terrorismo, motivo pelo qual merece indubitavelmente, o título de melhor general do déspota do Kremlin.
O autor é formado em história.

Nota.
Artigo tirado do Mídia Sem Mascara (
http://www.midiasemmascara.org/), antes de ser alterado.
Estava nesta página (
http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=240), que agora está desactivada.

*
Adolf Hitler Founded Israel

28.8.10

“Prova de rendimentos dos beneficiários passa a ser entregue pela internet.”
http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=18254
-Penso que deviam esforçar-se um pouco mais, para evitar, que mais pessoas se candidatem.


“... os testes de stresse do sistema bancário europeu, que têm dado conforto ao mercado.”
-Correcção: Têm dado a ilusão de conforto.

“Para já os portugueses terão de se começar a preparar para a subida de juros. É que, "embora seja ligeira, em conjunto com as medidas de austeridade - subida do IVA, aumento da taxa de retenção da fonte, incremento da inflação e salários congelados -, acabam por retirar poder de compra às famílias e ter um impacto maior", concluiu Filipe Garcia.”
-Correcção: não são medidas de austeridade, porque a bandalheira continua. São medidas de extorsão, claro está, porque a bandalheira continua.
http://www.ionline.pt/conteudo/75405-comecou-o-ciclo-subidas-prestacao-da-casa-vai-aumentar


Allan Sharif: 17 anos de cadeia por burla e extorsão.
http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1650002&seccao=Centro
Porque será que a justiça só funciona para um lado?



Tenho estado a ler um livro, O Ódio Mais Longo, algo estranho (o conteúdo lol), escrito em 1926 no entanto surpreendeu-me.

On June 25th, 1863, the Rothschild Brothers sent a letter to Messrs Ikleheimer, Morton and Vandergould at No. 3 Wall Street, New York, which included the following passage setting out the system by which Banks monopolize the creation, control and distribution of the nation’s money from nothing and charge exorbitant interest to borrow it:
“The few who understand the system ... will either be so interested in its profits or so dependent on its favours that there will be no opposition from that class, while on the other hand the great body of people mentally incapable of comprehending the tremendous advantages that capital derives from the system, will bear its burdens without complaint and perhaps even without suspecting that the system is inimical to them.”

Reginald McKenna, one-time Chancellor of the Exchequer and a Chairman of the Midland Bank, addressing a meeting of Bank shareholders in 1920 confirmed that the Bankers control the Government and direct its policy:
“... And they who control the credit of a nation direct the policy of governments and hold in the hollow of their hands the destiny of the people.”

Knupffer explained how the Bankers printed and issued banknotes, most of which was ‘book-entry’ money, passed on by cheque. (Over 90% of all payments nowadays are by cheque or credit card). He went on to state:
“The Bank of England ... was the first payment institution which was legally empowered to issue state-authorised paper currency and, therefore, the Government itself became its debtor. Thus the State not only renounced its monopoly on monetary emission, but also agreed to borrow the privately-created money from the bankers... Not only the thing being done, but even the very name was a deliberate fraud and deception to conceal the essence of the deed. To create money out of nothing is to make valid and effective claim on all goods and services for no return, which is a fraud and theft, made worse by the circumstances that the money is lent out at interest ... it follows that those who have the power to ‘create’ out of nothing all the money in each country and the whole world and lend it as stated, have total power over all states, parties, firms, radio, press, individuals and so on. Therefore the powers or Parliament are largely ephemeral ... The power of Parliament in general, and especially with regard to money, is non-existent, and all the true sovereignty is in the hands of those private individuals who issue all money and determine its value and distribution.”

U.S. ‘FEDERAL RESERVE’ A SIMILAR RACKET
A racket similar to that operated by the Bank ‘of England’ was set up in the United States of America with the creation of the Federal Reserve Board in 1913. The matter was described in the South African patriotic periodical News of the World as follows:

“Today in America the institution known as the Federal Reserve, which was also created by the International Bankers, carries more power than does either Congress or the President.
In 1916 Woodrow Wilson said:
‘A great industrial nation is controlled by its system of credit. Our system of credit is concentrated. The growth of the nation, therefore, and all our activities are in the hands of a few men....—and these few men are the heirs of those who long ago laid the foundation for the takeover of the entire world! ... bankers such as the Rockefellers, the House of Morgan, Goldman Sachs, Kuhn Loeb & Co., Lehman Brothers, are among those bankers who have tremendous interest in the Federal Reserve. The Federal Reserve has never had a public audit and all too often has acted in complete defiance of the Constitution of the United States...” It should also be mentioned that membership of the Board of the Federal Reserve has never been divulged officially; and that all the Chief Executive officers of ‘The Fed’ since its formation have been Jews. (Alan Greenspan is the latest.)

ON 22nd DECEMBER 1964 Captain Henry Kirby, M. P., called upon the House of Commons to support the Motion that:
“The continued issue of all the means of exchange—be they coin, bank notes or credit largely passed on by cheque—by private firms as an interest-bearing debt against the public should cease forthwith; that the Sovereign power and duty of issuing money should be returned to the Crown, then be put into circulation free of all debt and interest obligations, as a public service, not as a private opportunity for profit and control for no tangible returns to the British people... so as to assure the State and Nation the benefits of that emission and relieve them of the immense and growing burdens of a parasitical National and private debt; and to make certain that control passes to the taxed and is taken out of the hands of the present hidden unlawful beneficiaries of taxation ... this House calls upon Her Majesty’s Government to introduce the required legislation... to assure unprecedented prosperity with true sovereignty and liberty.”

It was on account of exploits such as this that in 1828 the Whig Member of Parliament for Hertford, T.P. Duncombe, addressed the following comments about Nathan Rothschild to the House of Commons:
“There is—deny it who can—a secret influence behind the Government whose form is never seen, whose name is never breathed, who has access to all the secrets of state and who arranges the sudden springs of Ministerial advancement...
“ ... Closely connected with this invisible, this incorporeal influence stands a more solid and substantial form, a new and formidable power, till these days unknown in Europe; master of unbounded wealth, he boasts that he is the arbiter of peace and war and that the credit of nations depends on his nod; his correspondents are invulnerable; his couriers outrun those of sovereign princes and absolute sovereigns; Ministers of state are in his pay. Paramount in the cabinets of Europe, he aspires to domination of our own ...
“... I trust that the Duke of Wellington and Sir Robert Peel will not allow the finances of this country to be controlled any longer by a Jew.”—Hansard, 2nd. Series, XVIII, 542-3.

The Banks have loaned billions to corrupt Third World countries. Many of these loans are said to have been “written off”. In fact what the Banks have done is cancel some of the debts owed by Third World nations and recoup their losses by upping their charges and interest rates to clients in North America and Europe.
-Ui. Esta bate mesmo à porta.

.

25.8.10

“O ADN não engana: Hitler tinha “raízes judias ou africanas”
Testes realizados com amostras de saliva retiradas de 39 familiares do ditador nazi relacionam Hitler com as raças que tentou exterminar durante o Holocausto. Não é a primeira vez que surgem ligações entre Adolf Hitler e uma possível ancestralidade judaica, mas se antes as alegações eram históricas (o pai de Hitler terá sido fruto de uma relação ilegítima da sua avó com um homem judeu) passaram agora para o plano científico.

O cromossoma identificado no estudo impulsionado por um jornalista e um historiador belgas, o Haplogroup E1b1b1, é raro na Europa, sendo mais facilmente identificado em povos como os Berberes de Marrocos, Algeria e Tunisia bem como em algumas comunidades judias como os Ashkenazi e os Sefarditas.”
http://www.ionline.pt/conteudo/75187-o-adn-nao-engana-hitler-tinha-raizes-judias-ou-africanas

Não sei se rio se choro...
.

20.8.10

Operação “Resgate Fiscal” recupera € 812 milhões
http://aeiou.expresso.pt/operacao-resgate-fiscal-recupera-8364812-milhoes=f598659"

Recupera? Eufemismo utilizado para disfarçar a (palavra certa) extorsão que neste momento os governantes exercem sobre os cidadãos e empresas. Claro que haverá faltosos, em especial nesta altura de grande crise económica. Isto para não falar daqueles que por artes mágicas de legislação, ficam isentos das suas obrigações fiscais. Etc, etc, etc...
Os meios e as consequências nefastas, neste momento no país, justificam os fins.
A incompetência* dos políticos e governantes é atirada sobre os ombros dos contribuintes. Pois o fisco não tem de provar as acusações que faz aos contribuintes (singulares ou colectivos). Basta-lhes afirmar que a contabilidade não é credível e seguidamente aplicar os métodos indirectos, que suscitam muitas dúvidas quanto à sua legalidade e honestidade, para que os contribuintes (S. ou C.) tenham de provar a sua inocência, sobre acusações muito genéricas e meras conjecturas.

* Cada vez mais me pergunto se esta e outras incompetências governativas, não são propositadas.

Extorsão Fiscal.
Hoje uma pessoa minha conhecida recebeu uma carta do fisco ameaçando-o com a penhora dos seus bens (levou 8, (oito) dias a chegar da repartição de finanças local à casa dele, na mesma localidade).

Quando o processo foi levantado a essa pessoa, à uns anos, ela impugnou-o e neste momento encontra-se no tribunal administrativo, à espera.
Entre o processo levantado pelo fisco e o seu seguimento para tribunal, há a hipótese, por enquanto, do contribuinte pedir uma peritagem independente (o perito é pago pelo contribuinte, mas escolhido pelas finanças).
Vejamos então um pouco daquilo que afirmou o perito.



Art. 55º da Lei Geral Tributária
“A administração tributária exerce as suas atribuições na prossecução do interesse público, de acordo com os princípios da legalidade, da igualdade, da proporcionalidade, da justiça, da imparcialidade e da celeridade, no respeito pelas garantias dos contribuintes e demais obrigados tributários.”
http://www.global.estgp.pt/alunos/tavares/leigt.htm#Artigo55


Observação.
No entanto, apesar do perito do contribuinte, e do perito independente estarem de acordo, em que o processo levantado pelas finanças carece por completo de base legal de sustentação, etc, as finanças em Portugal, mesmo tendo conhecimento da impugnação, mas como estão acima dos tribunais, vão penhorar os bens desta família, por, pasme-se, por incumprimento desta dívida.
Para que queremos nós os tribunais? Temos o fisco que julga em causa própria.
Quantos mais casos andarão por aí?!
Tenho a esperança de que quando esta caso chegar ao fim, poder aqui publica-lo integralmente, para que outros possam ser alertados.

.

16.8.10


Devido à advertência do
Diogo resolvi dar uma vista de olhos pelo http://alethonews.wordpress.com e para já foi isto que descobri sobre o Wikileaks.

WIKILEAKS: AN INDO-ZIONIST CONSPIRACY?
http://alethonews.wordpress.com/2010/08/07/wikileaks-an-indo-zionist-conspiracy/

Hidden Intelligence Operation Behind the Wikileaks Release of “Secret” Documents?
http://alethonews.wordpress.com/2010/08/11/hidden-intelligence-operation-behind-the-wikileaks-release-of-secret-documents/

Wikileaks’ estranged co-founder becomes a critic
http://alethonews.wordpress.com/2010/07/28/wikileaks-estranged-co-founder-becomes-a-critic/
.

14.8.10

WikiLeaks' Collateral Murder: U.S. Soldier Ethan McCord's Eyewitness Story


Wikileaks co-founder speaks to Alyona


Daniel Ellsberg fears a US hit on Wikileaks founder Julian Assange



http://wikileaks.org/wiki/Wikileaks
.

8.8.10

Henry Ford
“A revolução russa teve a sua origem nas salas traseiras da Wall Street”.
.

7.8.10



Monarquia vs República


video


Rcebido por correio.

6.8.10

“O que podemos concluir do facto de a Portugal Telecom não pagar imposto sobre a mais-valia de 6 mil milhões com a venda da Vivo?”
http://www.ionline.pt/conteudo/72706-uma-licao-justica-fiscal-que-fica-510-milhoes-euros

-Bom. É melhor não comentar!
.

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.